Links between Brazil & Ireland                                                                                                  www.visiteirlanda.com

 

 

 

BLOOMSDAY no Brasil, 2006

 

9 cities: Belo Horizonte, MG – Curitiba, PR – Florianópolis, SC – Natal, RN;

Recife, PE - Rio de Janeiro, RJ – Salvador, BA Santa Maria, RS – & São Paulo, SP.  

 

 

 

O Bloomsday é uma festa literária. Ela homenageia o escritor irlandês James Joyce e seu livro "Ulysses", publicado em 1922. O Bloomsday é comemorado todos os anos em muitos lugares do mundo e conseqüentemente em muitas e variadas línguas. O elo comum entre os muitos dedicados entusiastas e simpatizantes envolvidos nestas comemorações é o esforço por relembrar os acontecimentos das aproximadamente 18 horas vividas pelos personagens do "Ulysses" no dia 16 de junho de 1904.

 

Belo Horizonte, MG 

Coordenação: Ione de Medeiros  gombh@uol.com.br

 

Samuel + James = SAMES

 

 Web site: http://www.oficcinamultimedia.com.br/public_html/bloom.htm

 

O Grupo Oficcina Multimédia da Fundação de Educação Artística comemora o Bloomsday - dia Internacional de comemorações da obra Ulisses de James Joyce. Neste ano de 2006 estaremos promovendo um encontro entre Samuel Beckett e James Joyce juntando-os em uma mesma valise joyceana: SAMES ou OTHERS? Em torno dessa temática o evento terá um caráter festivo a se realizar em um café no centro da cidade, aliado a uma intenção de informar o público sobre vida e obra desses dois grandes mestres literatura.

 

DIA 14 de junho às 16h00.

Sessão do Filme Bloom - Toda Uma Vida Em Um Único Dia.  Direção: Sean Walsh, Irlanda, 2004

Local: Usiminas Belas Artes Cinema.  Rua Gonçalves Dias 1581 - Bairro Lourdes.

*nesta sessão, meia entrada estendida a várias categorias.

 

DIA 16 de junho

  

17h00 - Performances, Instalações, vídeos, e leitura aberta de James Joyce e Beckett.

  

20h00 - Bate-Papo “SAMES”- Beckett e Joyce

Magda Velloso (FUNREI) – Joyce e Ulisses

Solange Oliveira (UFMG) – Beckett contemporâneo de Joyce.

 

Inventário SAMES: Traga pequenos objetos de seu inventário pessoal para escambo.

 

Local: Café Kahlúa - Rua Guajajaras, 416 - Centro.  *ENTRADA-FRANCA

 

Maiores Informações:  t. (31) 3221-6200 

Realização: Grupo Oficcina Multimédia / Café Kahlúa

Apoio: Usiminas Belas Artes Cinema / Eisenbahn

 

 

Curitiba, PR

Coordenação: Evelino Lacerda, UnicenP  http://cultura@unicenp.edu.br/

 

Homenagem a James Joyce no UnicenP
Publicado em 09/06/2006 – Fundação Cultural de Curitiba: http://www.fccdigital.com.br/

 

No próximo dia 16, em várias partes do planeta, será possível encontrar pessoas reunidas para celebrar o Bloomsday. A data não faz parte de nenhum calendário religioso, mas tem seguidores bastante fervorosos: os joyceanos. Bloomsday é o dia consagrado a uma das maiores obras literárias da modernidade, o Ulisses, do irlandês James Joyce. O livro retrata um único dia, 16 de junho de 1904, na vida do personagem Leopold Bloom, que percorre a cidade de Dublin das primeiras horas da manhã até a madrugada seguinte.

O UnicenP – Centro Universitário Positivo – participa da movimentação mundial trazendo a Curitiba uma programação completa. Pelo segundo ano consecutivo, a instituição inclui a celebração a Joyce em seu calendário cultural – desta vez, com alguns dias de antecedência ao verdadeiro

 

Bloomsday por conta do feriado de Corpus Christi.
No dia 12, segunda-feira, será aberta a exposição “International Joyce”, que permanece no saguão do Teatro UnicenP até 12 de julho. São 22 painéis com fotos e textos que contam um pouco da vida e da obra de Joyce, considerado por muitos o maior escritor do século XX. As telas já passaram por vários países em diversos continentes. A turnê começou em 2004, ano do centenário do célebre dia em que Leopold Bloom passeou por Dublin. Naquele ano, os painéis foram expostos na Universidade de São Paulo - USP.

Esta é a segunda vez que a exposição é montada no país, numa parceria entre o UnicenP e a Divisão Cultural do Departamento de Assuntos Internacionais da Irlanda, representada pela embaixada do país em Brasília. “Procuramos a parceria porque queremos que o público da cidade tenha acesso a esta exposição absolutamente encantadora”, afirma a Coordenadora Cultural do UnicenP, Eveline Lacerda, que viu os painéis expostos pela primeira vez no Centro Cultural Borges, em Buenos Aires, durante um congresso de que participava na capital argentina. Desde então, trabalha para que a mostra volte ao Brasil.

Atividades
Paralelamente à exposição, o Centro Universitário Positivo promove, ainda no dia 12 de junho, segunda-feira, sete atividades especiais na sala de eventos anexa ao Teatro UnicenP. A programação inicia às 9h, com uma leitura comentada de outra obra joyceana, Finnegans Wake, a cargo do diretor de teatro Octávio Camargo, da Companhia Ilíadahomero de Teatro. Em seguida, a atriz Nadja Naira interpreta parte do monólogo da personagem Molly Bloom em Ulisses e Caetano Galindo, professor de Lingüística da Universidade Federal do Paraná e autor de uma tradução inédita do clássico de Joyce, faz uma leitura crítica do romance. Às 10h, o Grupo Keltoi apresenta música irlandesa.
A programação noturna começa às 19h30, com mais uma performance teatral: o ator Richard Rebello declama o Canto XVI da Ilíada, de Homero, obra à qual o Ulisses de Joyce faz referência desde o título. Às 20h30, uma mesa-redonda sobre o tema “Ilíada/Joyce” reúne quatro debatedores: Octávio Camargo; Caetano Galindo; o supervisor de Língua Portuguesa das escolas do Grupo Positivo, Paulo Bearzoti; e Ivan Justen, mestre em literatura pela USP.

No dia 19 de junho, a celebração ao Ulisses continua, com mais uma performance da Ilíada de Homero – desta vez, o Canto I, interpretado pela atriz Claudete Pereira Jorge – seguida de mesa-redonda na qual Caetano Galindo e Ivan Justen discutem o romance e seu autor. Outras atividades ocorrem paralelamente nesse mesmo dia, no Centro Paranaense de Cultura Feminina, e durante o feriado na Fnac do Park Shopping Barigüi.

Sobre Joyce
James Joyce é considerado um dos autores de maior relevância do seculo XX. Suas obras mais conhecidas são o volume de contos Dublinenses (1914) e os romances Retrato do Artista Quando Jovem (1916), Ulisses (1922) e Finnegans Wake (1939). Embora Joyce tenha vivido fora de seu país natal a maior parte da vida adulta, seu universo ficcional enraíza-se fortemente em Dublin e reflete sua vida familiar e eventos, amizades e inimizades dos tempos de escola e faculdade.
Joyce:JornadadeJunho.

Programa: De 12 de junho a 12 de julho no UnicenP.
Joyce International

Exposição de fotografias e textos sobre James Joyce. Acervo da Embaixada da Irlanda.
Data: de 12 de junho a 12 de julho, das 8h às 20h de segunda a sexta-feira. Sábados das 8 às 14h. Domingos das 10 às 13h.
Local: Sala de Eventos do Prédio da Pós-Graduação e Extensão (estacionamento 8). 

Entrada franca.


12/06  – Joyce: Jornadadejunho

Sala de Eventos do Prédio da Pós-Graduação e Extensão do UnicenP:
8h30h – Leitura Comentada de fragmentos de Finnegans Wake – com Octávio Camargo, diretor teatral
09h00 – Apresentação do monólogo de Molly Bloom em Ulisses – com Nadja Naira, atriz
09h30 – Leitura crítica do primeiro episódio de Ulisses – prof. Caetano Galindo
10h00 – Apresentação de música irlandesa – Grupo Keltoi

12/06  – Sala de eventos do Prédio da Pós-Graduação e Extensão do UnicenP:
19h30 – Declamação do Canto XVI da Ilíada de Homero com Richard Rebelo, ator
20h30 – Mesa de Debates sobre “A Ilíada e Joyce” com Octávio Camargo, Caetano Galindo, Paulo Bearzoti e Ivan Justen

16 de junho – Fnac ParkShopping Barigüi
19h00 – Coquetel de celebração do BLOOMSDAY
19h30 - Apresentação de música irlandesa – Grupo Keltoi
20h00 - Monólogo de Molly Bloom por Dayse Martins dos Santos
20h30 – Mesa Redonda debate Joyce com Octávio Camargo, Caetano Galindo, Paulo Bearzoti e Ivan Justen.  Entrada Franca.

19 de junho – Centro Paranaense Feminino de Cultura
15h00 – Apresentação do monólogo de Molly Bloom em Ulisses – com Nadja Naira, atriz
16h00 - Leitura crítica de trechos Ulisses de Joyce – com Ivan Justen e Caetano Galindo

19 de junho – Teatro UnicenP – Prédio da Pós-Graduação e Extensão do UnicenP:
19h30 – Declamação do Canto I da Ilíada de Homero com Claudete Pereira Jorge, atriz
20h30 – Mesa de Redonda debate Joyce e Ulisses com Caetano Galindo e Ivan Justen.

Inscrições pelo site: http://www.unicenp.edu.br/

UnicenP - Centro Universitário Positivo

Rua Professor Pedro Viriato Parigot de Souza, 5.300
t. (41) 3317-3283 - Campo Comprido, Curitiba.  http://www.unicenp.edu.br/


Centro Paranaense Feminino de Cultura
Rua Visconde do Rio Branco, 1717 – t. (41) 3232-8123.  centrofeminino@onda.com.br


Fnac - Park Shopping Barigüi,
Rua Professor Pedro Viriato Parigot de Souza, 600, loja 101 - Ecoville, Curitiba  t. (41) 2141-2000  http://www.fnac.com.br/


Mais Informações: http://cultura.unicenp.edu.br/  ou  t. (41) 3317-3283. 
Fonte: UnicenP

 

 

Notícias:

 

12.06.06 - Gazeta do Povo, Curitiba  07h00

Bloomsday” começa a ser comemorado em Curitiba

http://canais.ondarpc.com.br/cultura/geral/conteudo.phtml?id=571659

 

13.06.06 - Folha de Londrina, Paraná – Boca a Boca

 ... A data é chamada de Bloomsday e serve para relembrar os acontecimentos

vividos pelos personagens do livro que é admirado em todo mundo

 

14.06.06 - Notícias: Jornal do Estado

Na Sexta-feira, Curitiba comemorará 102 anos de Bloomsday

http://www.jornaldoestado.com.br/2006/060614/espaco_2/exc_044.htm

 

15.06.06 - Gazeta do Povo, Curitiba  00h03

Música, cerveja e leitura para comemorar o Bloomsday

http://canais.ondarpc.com.br/cultura/geral/conteudo.phtml?id=573114

 

 

Florianópolis, SC

 Coordenação: Sérgio Medeiros  panambi@matrix.com.br  e Dirce Waltrick do Amarante

 

Um evento cultural de rua organizado pelo Núcleo de Literatura Oral e Outras Linguagens (Nelool) da Universidade Federal de Santa Catarina.

Data e hora: 16 de junho de 2006, das 15h00 às 17h00.

Local: Praça XV e arredores e Museu Victor Meirelles

Apresentação

 

       O Bloomsday de Florianópolis recria as deambulações de Leopold Bloom pelas páginas de um dos maiores romances de todos os tempos: Ulisses (1922), do irlandês James Joyce.

       O romance Ulisses é, como se sabe, um grande tratado a respeito da comunicação, estando estruturado sobre a troca de informações entre os personagens. O seu protagonista, Leopold Bloom, recolhe e distribui mensagens, sendo responsável pela manutenção da Internet joyciana. Em meio a essa rede de mensagens, ecoa às vezes um grito composto de muitas vozes, a manifestação da mensagem de Deus (ou dos deuses) cortando o burburinho das falas humanas.

       O Bloomsday de Florianópolis mostrará, em sua edição de 2006, como essa rede de mensagens é alimentada. Começará falando do básico, destacando o que comem e o que bebem esses personagens que produzem e distribuem mensagens. Essa comida e essa bebida lhes dão energia, mas também idéias, às vezes visões e delírios.

 

Programação

 

15h00 – Praça XV (sob a figueira centenária)

      Primeiro Bloomsday Infantil de Florianópolis

      Um grito na rua – a criação do mundo.

      1) Leituras de Barulho, barulhinho, barulhão, de Arthur Nestróvski: “barulhos da barriga”, entre outros; e de Dicionário próprio de palavras sonoras, de Evandro Affonso Ferreira: “afuazadozoropitó”; e encenação do “conto infantil” No. 5, de Eugène Ionesco (tradução de Dirce Waltrick do Amarante): “-- Não é uma alma, só a sua cabeça é uma alma...”

 

15h20 – Catedral  (escadaria)

      Início do Bloomsday 2006 para crianças de todas as idades

      Após a criação do homem, este se alimenta.

       2) Leitura de Ulisses (tradução de Antônio Houaiss) : fragmento do café da manhã de Leopold   Bloom, sob o olhar de uma gata faminta: “-- Minhau!”

       3) Leitura de Finnegans Wake, de James Joyce (tradução de Dirce Waltrick do Amarante): o café da manhã de H.C.E. preparado por Anna Lívia Plurabelle: ela “dseja bonzour ao seu amado atrapalhado Dublinamarquês...”

        4) Uma aula de culinária: apresentação da receita do “Bolo de lama”, de John Cage (tradução de Sérgio Medeiros): “... cozinhe fora, sob o sol...”

        5) Encenação de Ubu Rei, de Alfred Jarry (tradução de Ferreira Gullar): o menu do almoço: “-- Senhores, vamos à vitela.”

        6) Leitura simultânea em espanhol de três poemas de Pablo Neruda: “Oda a la alcachofra”, “Oda al caldillo del congrio” e “Oda a la cebolla”: Lleven a la cocina...

 

15h40 – Casa da Memória (do lado de fora)

       7) Leitura de Algumas aventuras de Sílvia e Bruno, de Lewis Carroll (tradução e Sérgio Medeiros): fragmento de um jantar invertido: “o carneiro foi colocado de volta no espeto e lentamente tornou-se cru....”

        8) Leitura em inglês de uma receita de Edward Lear: prato nonsense

        10) Leitura de A Cantora Careca, de Eugène Ionesco (tradução de Dirce Waltrick do Amarante): “—Comemos bem esta noite. É porque somos ingleses e nosso nome é Smith...”

9) Leitura de Gargantua, de François Rabelais (tradução de Aristides Lobo): fragmento das conversas dos bebedores: “-- Quem surgiu primeiro, a sede ou a bebida?”

 

16h00 – Museu Victor Meirelles

      Continuação do Bloomsday 2006 e abertura da exposição de guarda-sóis e metaobjetos de Cláudio Trindade.

      Exaustão, sonolência, devaneios e barrigas barulhentas.

       9) Leitura da Ulisses (tradução de Antônio Houaiss): fragmento da ceia dos marinheiros: “-- Você deve ter visto um belo pedaço do mundo.”

       10) Encenação de Fim de partida, de Samuel Beckett (tradução de Dirce Waltrick do Amarante): fragmento referente à alimentação de Nagg: “-- Meu bombom!”

       11) Dança indeterminada em homenagem a Lucia Joyce, filha do escritor e uma das pioneiras da dança experimental; acompanhamento musical: Música na barriga (Musik im Bauch, 1975), de Karlheinz Stockhausen, para 6 percussionistas, caixas de música e operador de som.

 

As leituras, as encenações e a dança serão executadas pelos membros do Corpo de Letra, pelo grupo de teatro de Maris Viana e por alunos da UFSC

 

Se chover na tarde do dia 16 de junho, todo o Bloomsday 2006 será realizado dentro do Museu Victor Meirelles.

 

Notícias

15.06.06 - Universidade Aberta  16h06

UFSC promove mais uma edição do Blomsday em Florianópolis

http://www.unaberta.ufsc.br/noticias/20118

 

 

Natal, RN

Coordenação: Professor Doutor, Francisco Ivan de Silva

Contato: Alexandro Gurgel  alexgurgel@interjato.com.br

 

 

Bloomsday in Natal - 14 de junho de 2006

Local: Museu Câmara Cascudo

Hora: 19h30, abertura da Exposição

Palestra: James Joyce e o Romance Moderno

Recital: A Última Hora de Ulysses

A exposição ficará exposta de 14 a 30 de junho, horário normal do Museu, inclusive, aos sábados e domingos a partir das 13 horas.

 

Notícias

 

Natal celebra o Bloomsday 2006


09/06/2006 - Tribuna do Norte - http://www.tribunadonorte.com.br/noticia.php?id=12536

 

Quem gosta de literatura pode até não saber o que é o Bloomsday, mas com certeza já ouviu falar de James Joyce e seu livro “Ulisses”. Publicado em 1922, Ulisses é um romance sobre um dia vivido em Dublim, na Irlanda.

Os personagens Stephen Dedalus e Leopold Bloom saem no dia 16 de junho de 1904 em uma jornada épica na cidade de Dublim. O dia 16 de junho passou a ser conhecido, então, como o Bloomsday e, mesmo sem ter acontecido de verdade, passou a ser lembrado em todo o mundo. É o dia de atividades como leituras, encenações, muita festa e homenagens a James Joyce.

Em Natal, a UFRN, através do Núcleo de Arte e Cultura e do Departamento de Letras, celebra o Bloomsday 2006 com uma exposição que passa em revista a vida e a obra do escritor irlandês que tanto interesse desperta nos escritores, poetas, artistas e intelectuais brasileiros desde a geração moderna de 1922 até nossos dias.

Exposição de fotos, desenhos, quadros, objetos, mostra de vídeos, leituras de trechos  de livros, recital, conferências e debates serão partes do programa aberta ao público, a partir do dia 14 de junho, no Museu Câmara Cascudo, na Avenida Hermes da Fonseca, Tirol.

A Celebração do Bloomsday pretende mostrar a vida e obra daquele que é considerado, universalmente, o criador do romance moderno. O evento está sendo organizado por Sônia Othon, diretora do Núcleo de Arte e Cultura da UFRN, por J. Medeiros, artista multimídia; Falves Silva, poeta visual; e Francisco Ivan, poeta e professor do Departamento de Letras da UFRN.

Aproximar-se da Obra de James Joyce é recorrer o agitado e caótico século XX, que marcou, indiscutivelmente, o curso vital e literário daquele que é, talvez, o mais discutido escritor entre as vanguardas e a modernidade”, disse o poeta Francisco Ivan em texto enviado pela assessoria de imprensa do evento.

Para recriar esse cenário foram selecionados um vasto material sobre o livro “Ulisses” e sobre o cotidiano do escritor irlandês. Dados que possam ilustrar o evento , mostrando peças de arte produzidas em todo o mundo, inclusive, por artistas e poetas locais, muitos admiradores da obra de James Joyce.

 

Museu Câmara Cascudo da UFRN é palco para o Bloomsday 2006

 

10/06/2006 - Tribuna do Norte - http://www.tribunadonorte.com.br/noticiaprint.php?id=12693

 

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte, através do Núcleo de Arte e Cultura, realiza uma exposição sobre o Bloomsday 2006, nesta quarta-feira,  14 de junho. O evento, que acontece na Sala de Exposições Temporárias do Museu Câmara  Cascudo, dá início, também, ao colóquio e apresentações de recitais sobre o tema. Como já vem acontecendo em anos anteriores, o coordenador geral do evento é o professor doutor, Francisco Ivan da Silva, que ministra aulas na graduação e na pós-graduação do Curso de Letras da UFRN, sendo especialista na obra de James Joyce, tendo em vista que o tema de seu doutoramento foi a obra do escritor, Ulisses.

O Bloomsday ficou conhecido por ter sido o dia (16 de junho de 1904), em que ocorreu o encontro entre o jovem Joyce com a também, jovenzita, Nora Barnacle, em uma certa rua de Dublin, (Nassau Street), que deu origem ao seu grande romance moderno, Ulisses. Na cidade de Dublin a cada ano, em 16 de junho, todos os joyceanos do mundo, que se concentram no local do cenário de Ulisses de James Joyce, comemoram a data. Assim como outras cidades brasileiras, como São Paulo, por exemplo, Natal , através da UFRN, há anos vem comemorando esta data com eventos culturais.

O evento, este ano, além de passar em revista a vida e a obra do escritor irlandês, (1882-1941), que tanto interesse desperta nos escritores /poetas/artistas brasileiros desde a geração moderna de 1922 até nossos dias, contará, ainda, com recitais e palestras.

As palestras ocorrerão dentro do Colóquio: James Joyce e o Romance Moderno, que terá como debatedores: Professor Antônio Eduardo de Oliveira, professor/doutor João da Mata e o professor/doutor  Francisco Ivan da Silva. O recital terá como tema trecho, em vários idiomas, do último episódio de Ulisses sob a direção de Pinho Montinelli e as recitalistas  são: Laís Gonçalves, Lisbeth Lima de Oliveira e Maria Fernanda Cardoso Santos e Maria Guadalupe Segunda.. A exposição ficará exposta de 14 a 30 de junho, horário normal do Museu, inclusive, aos sábados e domingos a partir das 13 horas.

A produção cultural e artística do evento está sob a responsabilidade de Francisco Israel de Carvalho, Samuel Anderson de Oliveira Lima, Maria Guadalupe Segunda. Espera-se que a comunidade, não só universitária, prestigie  essa programação cultural.

 

 

Um dia para Joyce e sua obra

 

16.06.2006 – Diário de Natal, RN

http://diariodenatal.dnonline.com.br/site/materia.php?idsec=6&idmat=145992

 

 


Será que o escritor irlandês James Joyce quando escreveu sua própria ‘‘odisséia’’ intitulada de Ulysses (publicado na França, em 1922), e que conta um único dia na vida dos personagens Stephen Dedalus e Leopol Bloom, imaginou que todo dia 16 de junho, depois de alguns anos passasse a ser o Bloomsday? Bom, se um dos precursores da literatura moderna, pensou isso, não se sabe. Mas, o que é certo mesmo é que Joyce é um dos escritores mais lidos, admirados e estudados em todo o mundo. E, de acordo com o professor doutor de pós-graduação do Departamento de Letras da UFRN, Francisco Ivan, ele sabia o que estava fazendo. Segundo Ivan, certa vez, Joyce teria dito para sua mulher ‘‘eu vou dar trabalho aos meus leitores pelo menos durante uns 300 anos’’. E pelo jeito, a ‘‘profecia’’ está se concretizando.

O Bloomsday em Natal já é comemorado há pelo menos 10 anos, sempre sob a tutela do professor Francisco Ivan e outros admiradores. Este ano, a festa será antecipada para hoje, no Museu Câmara Cascudo, às 19h30 com abertura da exposição Bloomsday 2006, na qual haverá o colóquio - ‘‘Joyce e o Romande Moderno’’ -, um recital além de registros e obras que mostram a vida do escritor, e que ficará aberta à visitação até 30 deste mês. A promoção é do Núcleo de Arte e Cultura (NAC), que é dirigido por Sônia Othon, em parceria com Francisco Ivan, J. Medeiros e Falves Silva.

Participarão do colóquio de logo mais, os professores Antônio Eduardo de Oliveira, João da Mata Costa e Francisco Ivan. E o recital A última hora de Ulysses contará com atrizes recitando as últimas linhas do revolucionário livro de Joyce em italiano, espanhol, francês e português. ‘‘Estamos com mais de 10 anos de Bloomsday e isso é uma dádiva dentro da Universidade, que abre as portas para um escritor difícil, estrangeiro, deixando Natal em sintonia com outras grandes cidades. Quando nós começamos eu tinha de explicar o significado do livro. Hoje não tem mais isso. Além de organizadores, nós temos um público ávido’’, comemora Francisco Ivan.

De acordo com Sônia Othon, esse ano o NAC resolveu organizar o Bloomsday de uma ‘‘forma mais integrada’’ tendo em vista que o Núcleo é o órgão encarregado de trabalhar a arte e a cultura dentro da Universidade. ‘‘E nós estamos abrindo a sala de exposições temporárias do Museu Câmara Cascudo, que fica no primeiro andar daquele prédio, com o Bloomsday’’, diz Othon.

Um pouco sobre Joyce

James Joyce publicou em 1922 o livro Ulisses, um romance sobre um dia vivido em Dublim, na Irlanda, pelas personagens Stephen Dedalus e Leopold Bloom. Na obra, eles saem em 16 de junho de 1904 em uma jornada épica na referida cidade. Nascido, em 2 de fevereiro de 1882, nos subúrbios de Dublin, no seio de uma família católica de comerciantes, aos seis anos de idade juntou-se a um colégio de jesuítas, mas devido a problemas financeiros e a falência decretada pela família Joyce, foi forçado a abandonar os estudos.

Mais tarde, aos nove anos, beneficiando de uma bolsa, é inscrito no Jesuíta Belvedere College. Já naquela época mostrava os primeiros dotes para a escrita. Em 1902, tem licenciatura em línguas modernas, e parte para Paris para dar início aos seus estudos em medicina. Em 1904, um dos acontecimentos biográficos mais importantes da vida de Joyce toma lugar: ele conhece Nora Barnacle, a mulher que viria a ser a sua amante, companheira e inspiração para o resto da sua vida. Não acreditando na instituição do casamento, e impedido pelas convenções de viver com Nora sem estarem casados, ambos abandonam Dublin e partem num auto-imposto exílio para a Europa, primeiro para Zurique, mais tarde para Roma.

 

 

 

                                                                        Recife, PE

                 Coordenação: Marcio de Oliveira - http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=2663233600525270084

 

16 de junho: Bar Panquecas e Saladas, Recife Antigo

http://www.orkut.com/CommMsgs.aspx?cmm=1507885&tid=13999167&start=1

 

 

Rio de Janeiro, RJ

Coordenação: * Bernardina da Silveira Pinheiro  bsp@visualnet.com.br

 

Quarta-feira dia 21 de junho

 

21h00 – Leitura e Cocktail.

 

‘Passages from a Portrait and Ulysses’

Escola Letra Freudiana, Rua Barão de Jaguaripe, 231 – Ipanema.  t. (21) 2522-3877

escola@letrafreudiana.com.br   -   www.letrafreudiana.com.br

 

‘Hoje é dia de ler Joyce’. RJ: O Globo, Segundo Caderno, Gente Boa, p. 3. 21.06.06: Photo.

 

* Ulisses de James Joyce.  Tradução: Bernardina da Silveira Pinheiro. RJ: Objetiva, 2005. 890 p.

 

 

Filme (em breve): Bloom - Toda Uma Vida Em Um Único Dia.  http://www.ulysses.ie//

Direção: Sean Walsh, Irlanda, 2004.  Drama.  Com Stephen Rea, Angeline Ball & Hugh O´Connor

Walsh levou 10 anos e 800 versões de roteiro para fazer esta adaptação de “Ulisses”, de James Joyce,

considerado o livro mais brilhante de todos os tempos.

Cinema: Estação - Programação: http://www.bocaboca.com.br/rj/cinema_porfilmerj.php?filme=todos

 

 

Santa Maria, RS

Coordenação: Aguinaldo M. Severino  bloomsday.santamaria@gmail.com  (13th year)

 

Web site + photos: http://amseverino.sites.uol.com.br/bloomsday.html

A CESMA, Cooperativa dos Estudantes de Santa Maria, e o Ponto de
Cinema, convidam você para comemorar Bloomsday Santa Maria 2006.

"Bloomsday: the day on which James Joyce's masterpiece Ulysses is set"

 

Sexta-feira, 16 de junho de 2006
Leituras, Filmes, Música, Arte, Poesia e Prosa
(tudo com um leve tempero Joyceano)

16h00 - Centro Cultural Cesma
Rua Professor Braga, 55.  97015-530 Santa Maria - RS. t. (55) 3221-9165

18h30 - Ponto de Cinema Bar
Rua Ângelo Uglione, 1567.  97010-570 Santa Maria - RS  t. (55) 3221-8800
 

PROGRAMA

16h00 – CESMA – Documentário "Grandes Mestres: James Joyce"
"Famous Author Series: James Joyce" 1996, 60 minutos, VHS, legendado

17h00 – CESMA – Debate sobre a obra de James Joyce e o Bloomsday
Coordenado por Aguinaldo Medici Severino

18h30 – PONTO DE CINEMA - Telemaquia (abertura e apresentação)
Abertura: Bloomsday Santa Maria, ano XIII: Leitura das efemérides
Curta História: Ponto de Cinema Bar (15 anos) e CESMA (28 anos)
Bloomsday (1904 - 2006) 102 anos de paixão: Nora Barnacle & James Joyce

19h00 – PONTO DE CINEMA - Odisséia (leituras de Ulysses)
Leituras comparativas de trechos do Ulysses em Português
tradução de Antônio Houaiss, Editora Civilização Brasileira
tradução de Bernardina Pinheiro, Editora Objetiva
tradução de João Palma-Ferreira, Editora Livros do Brasil

20h00 – PONTO DE CINEMA - Nostos (leituras múltiplas)
Leituras de trechos de boa prosa e boa poesia
(de Joyce, de contemporâneos de Joyce e de nossos contemporâneos)

21h00 – Encerramento: O Ponto de Cinema pede passagem...

Participe você também:
Todos estão convidados a ler trechos de Ulysses e de James Joyce.

Filmografia básica de James Joyce:


·       A Portrait of the Artist as a Young Man [1979; colorido, 93 min.]
Dirigido por Joseph Strick. Com Bosco Hogan, T. P. McKenna e John
Gielgud.
·       James Joyce's Women [1983, colorido, 88 min.] Dirigido por Michael
Pearce e escrito, adaptado e protagonizado por Fio Fionnula Flanagan.
·       The Dead [1987; colorido, 82 min.] Dirigido por John Huston. Com
Anjelica Huston and Donal McCann.

·       Is There One Who Understands Me?: The World of James Joyce [1988,
colorido, 88 min.]
Dirigido por Shep Morgan. Com Peter O´Toole.
·       Ulysses [1967; preto e branco, 124 min.] Dirigido por Joseph Strick.
Com Barbara Jefford, Milo O'Shea, Maurice Roeves e Fionnula Flanagan.
·       Nora [2000, colorido, 106 min.] Dirigido por Pat Murphy. Com Ewan
McGregor e Susan Lynch.
·       Bloom [2004, colorido, 113 min.] Dirigido por Sean Walsh. Com
Stephen Rea, Angeline Ball, Hugh O´Conor e Patrick Bergin.
·       Joyce to the World [2004, colorido, 60 min.] Dirigido por Fritzi
Horstman.
Com Dianne J. Wynne, Fritz Senn, Brian Dennehy, Frank
McCourt, Senator David Norris, Fionnula Flanagan, Ken Monaghan e
Stephen Joyce.

Bloomsday Santa Maria - since 1994, a literary party!
t. (55) 3221-4001 m. (55) 9146-8706 f. (55) 3220.8032

 

 

Bloomsday
Hoje ocorre a 13º edição em Santa Maria da festa que celebra James Joyce

Bruna Porciuncula

 

16.06.06 – Diário de Santa Maria

http://www.clicrbs.com.br/jornais/dsm/jsp/default2.jsp?uf=1&local=1&edition=5865&template=&start=1&section=&source=a1201014.xml&channel=10&id=&titanterior=&content=&menu=&themeid=&sectionid=&suppid=&fromdate=&todate=&modovisual=

 

 

 

Quando James Joyce inaugurou o romance moderno, escrevendo Ulisses na década de 20 do século passado, teria imaginado que seu clássico livro se tornaria uma celebridade na literatura? Isso pouco importa para os fãs da obra, que atravessou o século contando o longo dia de 16 de junho de 1904 na vida de Leopold Bloom. Por isso, hoje é o Bloomsday (O Dia de Bloom).

A data é celebrada como uma festa literária em vários lugares do mundo. Na Irlanda, terra natal de Joyce, a comemoração ganha caráter de feriado nacional. No Brasil, São Paulo, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Belo Horizonte (MG), Natal (RN) e Santa Maria estão entre o seleto grupo de cidades que têm o Bloomsday em seu calendário.

Mas por que tamanho culto a um livro que conta o dia de um corretor de anúncios irlandês de origem judaica? Os críticos e amantes do livro creditam esta veneração à inovadora forma com que Joyce utilizou elementos do inconsciente do personagem central de Ulisses. O escritor criou uma linguagem que acabou transgredindo a narrativa.

A leitura não se resume a acompanhar o dia de um homem. Ulisses é recriado pelos leitores. O Bloomsday rompeu as fronteiras da Irlanda e ganhou o mundo. O psicanalista francês Jacques Lacan afirmou que James Joyce faz da loucura uma produção literária, e talvez essa insanidade tenha lhe conferido tanto prestígio.

Para entender o que o escritor irlandês produziu em Ulisses, só lendo o livro. Mas quem ainda não teve a oportunidade de fazê-lo, pode ter uma idéia do que significa a narrativa e não ficar de fora das discussões do Bloomsday, que ocorrem hoje na Cesma e no Ponto de Cinema. O ator Ricardo Paim foi convidado pelo Diário para reproduzir algumas situações pelas quais o personagem passa durante o dia, como se ele as tivesse vivido em Santa Maria. Nesta página, uma brincadeira para confirmar que a obra mais célebre de Joyce se encaixa em Dublin e no mundo.

 

 

 

Multimídia

 

 

8h: Prepara o café da manhã. No livro, rim frito e chá com leite

 

9h: Coloca e recebe cartas numa agência de correios

 

10h: Vai a uma farmácia e compra um sabonete para tomar um banho público de banheira. Esquece o sabonete num dos bolsos da calça

 

11h: Vai ao funeral de uma amigo (neste momento, ele pensa na morte de um filhinho seu, 11 anos atrás)

 

14h: Vai até a biblioteca descansar e ler jornais. Fica espiando um sujeito, que tem um encontro amoroso com sua própria mulher

 

16h: Vai ao bar de um hotel com os amigos e depois fica sozinho para escrever uma carta para uma moça

 

20h: vai até o hospital onde uma amiga está prestes a dar à luz. Encontra Stephen e outros amigos

 

22h: Bloom encontra Stephen bêbado num bordel e o convence a acompanhá-lo até sua casa para descansar. Nos três últimos capítulos, os dois vão para casa

 

 

São Paulo, SP

Coordenação: Marcelo Tápia  marcelotapia@superig.com.br  e Ivan de Campos  (19th. year)

 

Programa – 16 de junho de 2006

 

Cronopios:  http://www.cronopios.com.br/site/artigos.asp?id=1445

 

 

I. Performance / Deambulação

 

17h00 - Casa das RosasEspaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura (Av. Paulista, 37).

 

Início da performance “Ulisses”, pela Cia. Nova de Teatro. Direção: Lenerson Polonini. Com Sérgio Portella (Leopold Bloom) e Carina Casuscelli (Molly Bloom).

A partir da Casa das Rosas, “Bloom” seguirá caminhando, acompanhado pelo público presente ao início da performance, até o Finnegan´s Pub, onde a apresentação será finalizada.

O itinerário da caminhada será: Av. Paulista, R. da Consolação, R. Estados Unidos e R. Cristiano Viana.

 

II. Evento

 

19h30 - Finnegan´s Pub (R. Cristiano Viana, 358).

 

Abertura

 

- Apresentação da canção irlandesa "Down by the Sally Gardens", por Yun Jung Im.

- Apresentação de música de James Joyce (“Bid Adieu to the girlish days”), por Marcelo Tápia (vocal) e Daniel Tápia (violão).

- Apresentação de música irlandesa tradicional, pelo grupo Irish Dreams – Cíntia Scola, Daniel Tápia, Marcelo Tápia e Sílvia Zambon.

 

1. Evocação de Ulysses

 

Tema: “Hades” (capítulo 6, relativo ao canto XI da Odisséia de Homero)

 

- Breve comentário introdutório, por Marcelo Tápia.

- Leitura de fragmentos do episódio homérico em três segmentos, com traduções inéditas de Jaa Torrano, Christian Werner e Marcelo Tápia, precedida por breve comentário sobre o canto XI, por Christian Werner. Leitura do fragmento inicial do Canto em grego, por Robert de Brose.

- Leitura do fragmento inicial do capítulo 6 de Ulysses: em inglês, por John Milton; em russo, por Aurora Bernardini, e em japonês, por Takeshi Ishihara.

- Leitura dramática de “montagem” de fragmentos do capítulo (realizada por Marcelo Tápia), denominada “Visita ao Hades”, em tradução inédita de Caetano Waldrigues Galindo, pela Cia. Nova de Teatro. Atores: Sérgio Portella e André Arruda. Direção: Lenerson Polonini.

 

2. Evocação de Finnegans Wake / Homenagem a Haroldo de Campos

 

- “A (im)possível tradução de Finnegans Wake”, por Lenita Maria Rimoli Esteves.

 

- Leitura de fragmento do romance, em tradução de Augusto de Campos, por Frederico Barbosa.

 

- Apresentação musical: Péricles Cavalcanti. Canções “Ode primitiva” (a partir de fragmento de Galáxias, de Haroldo de Campos) e “Nuvoletta  (a partir de fragmento de Finnegans Wake).

 

- Apresentação de vídeo com leitura (e comentários acerca) do fragmento “O Romapose e o Uivos”, de Finnegans Wake, em tradução de Augusto de Campos, pelo tradutor. Acompanhamento musical por Cid Campos.

 

- “Canção da falsa tartaruga”, de Lewis Carroll, em tradução de Augusto de Campos, com música de Cid Campos, apresentada pelo compositor.

 

- “O canto das sereias”: apresentação de fragmento do canto XII da Odisséia de Homero, em tradução de Haroldo de Campos. Por Ivan de Campos (leitura), Madalena Bernardes (voz) e Cid Campos (guitarra).

 

- Apresentação musical: Edvaldo Santana. Duas canções a partir de traduções de Haroldo de Campos.

 

Encerramento

 

Apresentação do grupo Marsicano Sitar Experience – Alberto Marsicano (cítara), Rodrigo Vitali (bateria) e Fernando Del Vecchio (baixo) –, acompanhada por leitura, em inglês, de fragmento de Ulysses, por John Milton.

 

 

Notícias

 

16.06.06 – Folha de São Paulo – Ilustrada E7

Pub celebra o 19º. Bloomsday São Paulo  Da reportagem local

O Finnegans Pub (r. Cristiano Viana, 358, Pinheiros, tel. o/xx/3062-3232) promove hoje, a partir das 19h30, a 19ª. edição do Bloomsday São Paulo, que celebra a data em que se passa o romance “Ulysses”, de James Joyce.  O evento tem como novidade uma performance da Cia Nova de Teatro, que sai da Casa das Rosas (av. Paulista, 37) até o pub.  Haverá leitura de trechos do livro e exibição de um vídeo de Augusto de Campos.  A entrada é franca.

 

16.06.2006 - O Estado de São Paulo  11h25

Fãs de James Joyce celebram em caminhada o Bloomsday  - Karla Dunder

http://www.estadao.com.br/arteelazer/letras/noticias/2006/jun/16/77.htm

 

Eles homenageiam a data em que o personagem do escritor, Leopold Bloom, fez sua caminhada de 18 horas por Dublin, na Irlanda

SÃO PAULO - Já é tradicional em todo o mundo: no dia 16 de junho, fãs do escritor James Joyce reúnem-se para celebrar a data em que o personagem Leopold Bloom fez sua caminhada de 18 horas por Dublin, na Irlanda. A história entrou para as páginas de Ulisses, uma obra inspirada e livremente adaptada da Odisséia, de Homero. Na época em que foi escrita, Joyce morava humildemente em Paris, em 1094. A obra só foi publicada em 1922 e influenciaria a literatura mundial através de uma linguagem inovadora, repleta de experiências lingüísticas e sonoras.

Nesta sexta-feira, no Bloomsday, repetindo o sucesso da Virada Cultural, os atores da Cia. Nova de Teatro farão uma performance na Casa das Rosas. "O local, o Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura dentro da Casa das Rosas, foi escolhido como uma forma de homenagear o poeta Haroldo de Campos. Posso dizer que foi ele o responsável por introduzir a obra de Joyce no Brasil e tomou a iniciativa de celebrar o primeiro Bloomsday", diz um dos organizadores do evento, Marcelo Tápias. Sérgio Portella interpretará Leopold Bloom hoje.

Assim como na Virada, o ator fará uma pequena apresentação na Casa das Rosas, às 17 horas, e depois seguirá a pé até o Finnegan´s Pub, em Pinheiros, quando encontrará com a mulher do personagem, Molly. No trajeto fará a leitura dramática de pequenos trechos do capítulo 6 de Ulisses, episódio que Bloom acompanha o enterro de um amigo. Os leitores de Joyce são convidados a participar da caminhada. O pub é o ponto de encontro dos fãs do livro desde 1988. Como manda a tradição, quem aparecer por lá, receberá um livreto grátis, neste ano será o Visita ao Ades, editado pela Olavobrás, em virtude do tema escolhido. Também terá a oportunidade de ouvir trechos do livro, primeiro em inglês, e em outras línguas, como hebraico, russo e japonês.

Um novidade desta edição: a audição da única composição musical de James Joyce. "Creio que é a primeira vez que alguém apresenta essa música. O próprio autor musicou um de seus poemas", diz o organizador. Em seguida, o grupo de Tápias fará uma apresentação de músicas tradicionais irlandesas. Os atores da Cia. Nova de Teatro farão uma montagem com os fragmentos do capítulo 6, com tradução inédita de Caetano Waldrigues Galino.

A professora da USP, Lenita Maria Rimoli Esteves, fará um breve comentário sobre o clássico Finnegans Wake, mais especificamente sobre a dificuldade de traduzir uma obra tão complexa. Haroldo de Campos participa de forma virtual, fará a leitura de um trecho do livro via DVD, gravado especialmente para o Bloomsday. Para completar, uma evocação do fragmento do episódio das sereias de Homero, uma tradução feita por Campos, lida por Ivan de Campos, acompanhada pela cantora Madalena Bernardes e do músico Cid Campos. "A finalização será feita com cítara e uma leitura, em inglês, de John Milton."

Tápias destaca que o Bloomsday além de valorizar a obra de Joyce, "muitas pessoas conhecem o texto a partir do evento", também é uma oportunidade de divulgar a cultura irlandesa. No Brasil, o Bloomsday é lembrado em outras cidades, como Belo Horizonte, Rio, Florianópolis, Natal.

Veja fragmento do livro Finnegans Wake que será lido por Frederico Barbosa no Bloomsday

Escurece, tingetinto, nosso funamburlesco mundanimal. Lama-laguna, aquela, à beira-rota, é montada pela onda. Avemaréa! Somos circunvelopardos pela urubscuridade. Homens e bestas friam. Desejo de não fazer nada, nemnada. Só lã. Zoono bom! Sec, surd, sôbr´ulha jazer, pss, sus pira rr. Ah! Onde se esconde nossa altanobre salve espôsestirpe? A doida da família está lá dentro. Haha! ZoÓsim, onde está ele? Em casa, que pena. Com Nancy Nana. Travetsetseiro. Cão correu no milharal. Cão? Não. Isegrim orelhas-murchas. Até lobo! E ovelhas sineiras param sem fôlego. Todas. A trilha do Demo ainda não se vê, rolenrola, cerro acima, vale abaixo, vereda ruim para vagamundos. Nem atraviés da estrelândia aquela banda de prata. Que era sobressoa? Longonga é-tarde. Só longe, scielo! Silúmida, sus vê-se. Silene surge. Oh! Lun! Arca? No é? Nada mexe a moita. Veredas volúvias da libéluaranha pousam paz nos
AUGUSTO E HAROLDO DE CAMPOS juncos. Refolham quedos seus folhos. Garças tácitas. Vale! Orvalha!

Tradução de Haroldo de Campos - Panaroma do Finnegans Wake
São Paulo, Editora Perpectiva, 2001, p. 93

19 Bloomsday. Finnegan´s Pub. Rua Cristiano Viana, 358, 3062-3232. Hoje, 19h30. Grátis.  Matéria alterada às 15h15

 

16.06.06 – A Tarde / Agência Estado  14h00

Fãs de James Joyce caminhar para celebrar Bloomsday

http://www3.atarde.com.br/cultura/interna.jsp?xsl=noticia.xsl&xml=NOTICIA/2006/06/16/987406.xml

 

16.06.06 – Último Segundo Brasil / Agência Estado  14h07

Fãs de James Joyce caminhar para celebrar Bloomsday

http://ultimosegundo.ig.com.br/materias/brasil/2415001-2415500/2415383/2415383_1.xml

 

 

Related web sites

                      

 

Uma ou duas coisas que eu aprendi sobre o Ulysses 

Por Caetano Waldrigues Galindo

http://www.cronopios.com.br/site/artigos.asp?id=1458

 

Bloomsday em Dublin

Por Ana Guimarães

http://www.cronopios.com.br/site/artigos.asp?id=1461

 

Bibliography: Traduções em Portugues

http://gogobrazil.com/jjoyce.html

 

Verba para a tradução de obras literários

http://www.irelandliterature.com/pt/

 

Tradução em Guarani

http://gogobrazil.com/guarani.html

 

Imagens digitais do artista brasileiro João Luiz Roth

http://www.ufsm.br/~roth/jamesjoyce.htm

 

The James Joyce Centre, DublinBloomsday in Dublin

http://www.jamesjoyce.ie/templates/text_contents.aspx?page_id=332

 

The James Joyce House of ‘The Dead”, Dublin

http://www.jamesjoycehouse.com/

 

Google Book Search: J.J.

http://books.google.com/books?q=James+Joyce&lr=&sa=N&start=10

 

Ligações entre o Brasil e a Irlanda

http://www.visiteirlanda.com/

______________________________________________________________________________________________

 

Home

 

17.06.06  12h30